História

Nada é mais fascinante do que as histórias contadas à noite junto ao fogo. Essas histórias parecem meio lendárias, meias verdades, irreais e remotas.
Mas a história do Escoteirismo não é uma lenda: como cristão, deves investir-te no mundo e, como um Explorador, deves ajudar a transmitir os atos desta história.
Então, ouve com atenção…

A Origem do Escoteirismo Europeu

Em 1956, no dia de Todos os Santos, alguns jovens cristãos se reuniram em Colônia (Alemanha) e fundaram uma comunidade internacional de Escoteirismo com o nome de «Federação de Escoteirismo Europeu».
Começou a avançar a ideia de um Escoteirismo explicitamente «Europeu», indo além das fronteiras de cada país, a fim de evitar os erros do passado e da guerra.
As associações nacionais que mantinham o mesmo ideal se reuniram em torno da União Internacional de Guias e Escoteiros da Europa ou Federação do Escotismo Europeu (UIGSE-FSE, ou simplesmente UIGSE). Há associações em diversos países da Europa e começam, aos poucos, a surgir outras associações fora do Velho Mundo, como no Canadá e agora no Brasil, que procuram se filiar à UIGSE.
A proposta da UIGSE é de um escoteirismo cristão, sobretudo católico, e ela é reconhecida pela Santa Sé como uma associação internacional de fiéis de Direito Pontifício, ou seja, é abençoada pelo Papa. Há escoteirismo católico também na WOSM, e reconhecido igualmente pelo Papa, mas a proposta da UIGSE é diferente: trata-se de um apostolado mediante o escoteirismo, um caminho de santidade pelo método de B-P.
A UIGSE se inspira no Pe. Jacques Sevin, SJ, que fundou os Scouts de France, escoteiros católicos franceses ligados à WOSM, e procura manter o seu legado e sua tradição. Jacques Sevin entendeu que o Escoteirismo poderia ser um instrumento fantástico para a educação. Ele aprofundou a ideia básica e desenvolveu o Escoteirismo criando o Escoteirismo Católico. No final de sua vida, B-P declarou que essa foi melhor adaptação feita de seu método.
Padre Jacques Sevin nasceu no dia 7 de Dezembro de 1882 e morreu em 19 de Julho de 1951. Encontra-se aberto o seu processo de beatificação e canonização.

O Escoteirismo no Brasil

Em 1909, pouco tempo após o escoteirismo ser fundado por B-P, já surgiam iniciativas semelhantes no Brasil levadas a cabo por oficiais da Marinha. Em 1910 foi fundado oficialmente o movimento em terras brasileiras, o Centro de Boys Scouts do Brasil. Aos poucos, inúmeros grupos foram criados em todo o país, e em 1924 eles se reuniram na União dos Escoteiros do Brasil (UEB), filiada à WOSM, enquanto as meninas, por volta da mesma época, reuniam-se na Federação das Bandeirantes do Brasil (FBB), filiada à WAGGS.
Nos anos 2000, muitos escoteiros e ex-escoteiros, na busca pela aplicação do método original de B-P, resolvem fundar grupos escoteiros independentes e buscam, pela Associação Escoteira Baden-Powell, a filiação à WFIS.
Outros, católicos, desejam uma associação escoteira de inspiração confessional e encontram na proposta da UIGSE, o escoteirismo europeu, a resposta para seus desejos. É organizada, então, a Associação das Guias e Explorares do Brasil (AG&E), que adota a pedagogia da UIGSE-FSE, os mesmos uniformes, mesmos padrões, mesmo cerimonial e mesmos textos fundamentais, e busca a afiliação a ela. Os primeiros membros da AG&E são do Rio Grande do Sul, e das terras gaúchas os Exploradores do Brasil se espalham por vários Estados, inicialmente São Paulo e Ceará, hoje no Distrito Federal e no Pará.
Adotamos o nome “Exploradores” e “Guias” por considerarmos que são mais expressivos. Diversas associações pelo mundo também fazem uso desses termos.
Os Exploradores do Brasil são 100% católicos e 100% escoteiros. Não só professamos integralmente a fé católica e aderimos ao Magistério da Igreja como também preservamos o escoteirismo original de B-P com rigorosa observância do método escoteiro, a vida ao ar livre, e do sistema de patrulhas tal qual foi concebido pelo fundador.